PENSATA: ESTILISTAS “COMEMORAM” ANIVERSÁRIO DURANTE A MERCEDES-BENZ FASHION WEEK

Seen+Around+Lincoln+Center+Day+0+Mercedes+DxPjHhhExA-l

A New York Fashion Week terminou há poucas semanas, em clima de inverno ensolarado. Além de dar a largada no circuito do planeta fashion, o evento antecipa as apostas que devem ser confirmadas nas passarelas de Londres, Paris e Milão e chegar, claro, ao Brasil.

Recentemente faleceu um dos maiores teóricos da atualidade que refletia sobre os estudos culturais, o jamaicano Stuart Hall. Considerado o pai do multiculturalismo, deixou um legado que ultrapassa ainda hoje as barreiras da academia, com ideias sobre identidade, raça, gênero e sexualidade inovadores, além dos efeitos da globalização, das políticas culturais e multiculturalismo. E a moda não é isso? E será que existe uma moda nacionalista? Por que essa história de Globalização estreita cada vez mais as fronteiras?

Dentre as quatro capitais da moda – Paris, Londres, Milão e Nova York, a cidade americana tem a fama de primar pelo prêt-à-porter e trazer coleções que vão facilmente da passarela para os guarda-roupas. Sua força sólida vem da indústria de confecções que ficam na Sétima Avenida, por isso, a semana durante muito anos se chamou Seventh on Six, quando a sétima avenida se “mudava” para a sexta, já que as tendas ficavam no Bryant Park, atrás da biblioteca pública, uma região conhecida como Fashion District.

Até 1998, a cidade costumava fechar a temporada, fornecendo ao mercado de modo palatável e compreensível um mix das tendências vistas nas capitais anteriores. Atualmente, a Mercedes-Benz Fashion Week, nome obtido depois do patrocínio da montadora e que se mudou para o Lincon Center, abre a temporada de moda internacional. A mudança para o local fez da moda uma arte, pois, o espaço é a casa do balé, da filarmônica e da ópera da cidade. Segundo o CFDA a moda empresa em NY 175.000 pessoas e gera 10 bilhões de dólares em receita.

A presidente do conselho, Diane Von Furstenberg marca o aniversário de 40 anos do maior ícone da grife: o vestido-envelope. A coleção intitulada “Bohemian Wrapsody” faz um trocadilho com o nome do clássico modelo e também é inspirada nele.

Imagem da mostra Journey of a dress de Diane Von Furstenberg
Imagem da mostra Journey of a dress de Diane Von Furstenberg

Para comemorar a data, Diane organizou uma exposição em Los Angeles chamada “The Journey of a Dress” (“A Jornada de um Vestido, em português) em Los Angeles, e, no convite, usou os termos “Bohemian Wrapsody”, fazendo um trocadilho com o nome da peça. Ao site WWD, Diane declarou que a associação direta de seu nome ao vestido já a incomodou um dia. “Por mais que ele tenha pago todas as minhas contas, me feito famosa e me levado à capa da Newsweek, nunca dei tanta importância. Mas, depois que fiz a exposição sobre o vestido em Los Angeles, realizei que a coisa de que tenho mais orgulho, tirando os meus filhos, é o vestido envelope. Comecei a prestar atenção e agora o vejo de forma totalmente diferente”, explicou. Em meio à semana de moda americana, a estilista anunciou Michael Herz como o novo diretor artístico de sua marca.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outra estilista que assoprou as velinhas foi Donna Karan que comemora 30 anos de marca no desfile de outono-inverno 2014/15 onde ela não faz exatamente uma retrospectiva, mas, sim um exercício de estilo baseado nos códigos mais fortes de suas criações. Com um olhar apurado para os anos 90, a estilista pegou a década e seu minimalista para fazer criações femininas, fortes e contemporâneas.

Donna que é nova-iorquina cresceu em uma família relacionada à moda. Em 1970 se casou com Mark Karan, um homem que lhe daria o nome que a tornou famosa. Estudou na Parsons School of Design e, uma vez formada, rapidamente conseguiu seu primeiro emprego relacionadas com moda. Colaborou com a estilista Anne Klein, tendo chegado a chefe da equipe de design, onde permaneceu até 1985, altura em que lançou a marca de roupa com o seu nome.

Donna foi lentamente construindo um império enorme. Decidiu, como muitos outros designers, ampliando sua linha de produtos para gerar, além da linha feminina, uma linha masculina, uma para crianças, sapatos, cosméticos…

Este slideshow necessita de JavaScript.

O último a cantar “Parabéns” foi Alexandre Herchcovitch está comemorando vinte anos de carreira. O estilista apresentou na semana de moda americana. O brasileiro que já vem passeando pela moda desde o final dos anos 80, apresentou em Nova York a mesma coleção desfilada no SPFW.

O estilista considera como marco de sua carreira foi o ano de 1994, quando abriu sua primeira loja, nos Jardins, e passou a desfilar dentro do Phytoervas Fashion, semana de moda que antecedeu o SPFW. Para celebrar a data o estilista criou uma coleção-cápsula especial, com 35 peças reeditadas que fizeram sucesso entre os anos 2000 e 2012. As peças poderão ser compradas nas lojas Herchcovitch;Alexandre de SP e RJ e em multimarcas selecionadas.

Além da coleção, a festa de aniversário não para por aí. O livro-retrospectiva lançado em 2002 pela Cosac & Naify será atualizado. E um documentário em três episódios, dirigido por Christiano Metri – batizado de Desconstruindo Herchcovitch, a produção é parceria entre a produtora Conspiração Filmes e o canal GNT.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s