ALTA COSTURA: NOVOS NOMES E FRESCOR FAZEM A SEMANA BERÇO DO SONHO RESSURGIR DAS CINZAS

chanel-alta-costura-verao-2014-interna

Paris ganhou todo um perfume diferente essa semana. A capital francesa que é conhecida como o berço da moda e o grande sonho de todo criador, em todos os sentidos, varreu os salões, ajustou os refletores e deu o play na música para receber as coleções de alta costura. Para esta edição destaque para os novos estilistas, os tênis e o desejo de conquistar clientes mais jovens, uma estratégia para reavivar esse celeiro de genialidade.

A Bouchra Jarrar entra oficialmente para o line up, após três anos participando da semana de alta-costura parisiense como estilista convidada pela Chambre Syndicale, a instituição francesa responsável por regulamentar e fiscalizar a categoria – entre os requisitos e critérios exigidos para integrar o seleto time está uma quantidade mínima de looks por desfiles, tamanho do ateliê e o padrão de peças feitas sob medida e à mão.

Uma marca inglesa também ganhou o privilégio de fazer parte deste seleto time, foi a Ralph & Russo que foi recrutada pela Chambre Syndicale de la Haute Couture, a primeira em quase 100 anos.

A cantora Grace Jones inspirou a coleção de Verão 2014 da Atelier Versace. Na passarela uma coleção açucarada e recheada de looks que prometem invadir os red carpets desta temporada. O vestido ultra sexy aqui ganha uma releitura, às vezes com capuz. A silhueta é sempre muito justa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Estreando a frete da Schiaparelli, Marco Zanini, ex diretor criativo da Rochas, levou para a passarela a sua versão do surrealismo característico da marca de Elsa, traduzido em um casting meio miscelânea e looks que propõe um high-low combinando peças de alta-costura com sandálias rasteiras tipo Birkenstock, tendência no catwalk de verão 2013 de grifes como Céline e Prada. Os marcantes chapéus não podiam ficar de lado. Uma noiva subversiva na visão do estilista que usou marcas registradas de sua criadora como as mangas presunto, o preto, joias e acessórios de inspiração surrealista. Beijo no ombro para Grace Coddington e Sonia Rykiel.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma coleção de simplicidade e elegância foi o que Raf Simons apresentou no Verão 2014 Christian Dior. Com muito looks com calça – combinados com rasteirinha. O estilista continua a apostar em vestidos desnivelados e cheios de aplicação. Destaque também para as sandálias, que ficam até pouco abaixo do joelho. Momento terror para as anquinhas desconstruídas que vinham por cima da roupa. Um desfile cheio de texturas. Adoramos os tênis que ganharam caráter de luxo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Karl Lagerfeld surpreende mais uma vez na coleção que assina para a temporada de Verão 2014 da alta-costura da Chanel. Os looks que conversam com os espores, principalmente nos acessórios, que incluem muitos tênis, joelheiras, cotoveleiras e até pochetes.

Cara Delevigne abriu e fechou o desfile com o tradicional vestido de noiva da grife – e, claro, também usava tênis! Na passarela, música ao vivo e outras tops como Joan Smalls.

Clima onírico e contemporâneo, com looks claros e cheios de brilho e transparência estratégica. Foi 60’s, fresh, jovem, riquíssimo, leve. Karl apontou um futuro para a alta costura com as indiocrassias dos novos tempos, sem perder o glamour. Rolou ainda uma metáfora da velocidade em que o mundo está, visto que as modelos desciam e subiam as escadas correndo. Tweed com fios de seda prateada, longos com cristais de cima a baixo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O “professor Pardal da moda”, o estilista Hussein Chalaian assume a Vionnet como mais uma tentativa de ressuscitar a marca. A coleção de estreia chamada de demi-couture, algo entre a alta-costura e o prêt-à-porter, um pouco mais barata e com só uma prova antes da peça ficar pronta. A direção criativa e presidência continua com Goga Ashkenazi. Muitos vestidos feitos com organza tecnológica cortada a laser, caindo sobre o corpo de maneira construída e ao mesmo tempo levíssima. O processo produtivo é “parecido” com o de madame Vionnet: ele não só desenhou como fez o drapeado em modelos em miniatura como maquete, assim como ela fazia, antes de produzi-los em tamanho real. A inspiração da eram os fios e circuitos elétricos que aparece claramente nos cintos e acessórios de cabo colorido.

A Armani Privé levou a passarela sua elegância discreta. Vestidos fluidos bordados, alfaiataria confortável e muitos lenços na cabeça marcaram a passarela da grife, em desfile com pitada oriental. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Maison Martin Margiela desfilou a coleção chamada Artisanal, tem como proposta de “transformar e ressuscitar o vintage”, segundo as palavras da própria grife. E novamente, usando máscaras para cobrir o rosto das modelos na passarela. As estampas da estação são artsy, com variações de estampas como a Les Violons, do pintor Raoul Dufy. Também há desenhos de outros artistas, como Sailor Jerry (as ‘tatuagens’ anos 1950) e variações da tapeçaria Le Coq, do francês Lurçat.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A dupla Victor & Rolf trocou as modelos pelo corpo de baile do Balé Nacional da Holanda. A inspiração da coleção tava aí, isso se os estilistas não fizessem algumas subversões. No lugar de um tutu, o látex cor da pele aparece como um material leve e romântico. A “estampa” de fita, babado e pássaros é pintada à mão, remetendo à tatuagem. A apresentação é ligada ao lançamento de um novo perfume da marca, Bonbon. Especulasse que a dupla deve fazer o figurino de um novo espetáculo do Balé Nacional da Holanda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Valentino adora olhar para o que lhe rodeia e desta vez foi à ópera italiana. Com decotes a lá Versace, supersexy com decotes profundos e transparências ousadíssimas; em alguns momentos até monástico com tudo fechado e reto fizeram de uma coleção divertida e ousada. As referências foram La Traviata, as bailarinas, Richard Wagner, Björk, Henry Purcell, Giuseppe Verdi, Amilcare Ponchielli, Adão e Eva inspirada nas pinturas de Lucas Cranach, e não poderiam faltar os cristais e bordados de ateliê.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Jean Paul Gaultier se inspirou em cabaret e borboletas, e ainda levou Dita Von Teese como sua musa dessa temporada. O estilista adora provocar as formas do corpo então usou as borboletas, explicitamente, para construir seus esculturais vestidos. Teve muito tule, cristais, pérolas, correntes…

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s