PEITANDO A MORAL E OS BONS COSTUMES: UMA REFLEXÃO SOBRE OS PEITOS

A bunda ainda continua sendo a grande paixão nacional, mas, o por que os peitos causam tanta polêmica. E por que nos Carnaval ficam na bandeja quase engolindo as câmeras de tv e caindo no meio da nossa sala e, ninguém fala nada? Será que nos quatro dias regidos pelo Rei Momo as leis são diferentes? Qual a diferença de mostrar os peitos na Marquês de Sapucaí ou nas areais do Rio de Janeiro? E porque eles podem ser protagonistas de cenas de novelas e programas de tv?

Será que em todo o verão iremos “evocar” o pecaminoso e reacionário Nelson Rodrigues com sua célebre frase “toda nudez será castigada”? Ou será que a Adriana Calcanhotto deveria atualizar a música “Cariocas” e dizer que “Cariocas se dizem modernos”…

O jornal O Globo do último domingo publicou uma matéria que ressaltando mais uma vez a caretice e a pseudo moral que assola a cidade… O episódio aconteceu na Praia do Arpoador, no dia 14 do mês passado. Na ocasião, os atores Cristina Flores e Álamo Facó posavam para a campanha de divulgação da peça “Cosmocartas”, estrelada pelos dois. O sol se punha, havia pouca gente na areia. Bastou que ela tirasse a blusa para uma foto para o tempo fechar.

“Do nada, vieram três policiais, mais do que um por seio. O que falou conosco parecia assustado. Disse que havia crianças e famílias ali, e que o que eu estava fazendo era obsceno. Fiquei muito constrangida, me senti pega num delito”, contou Cristina, ao jornal carioca, que tem 37 anos, não costuma ir à praia e nunca havia feito topless.

E caso a atriz não houvesse acatado a ordem do policial de colocar a blusa, poderia ter passado pela mesma dor de cabeça que a vendedora Rosemeri Moura da Costa passou. Em janeiro de 2000, ela foi detida quando fazia topless na Praia da Reserva. Na época, a prisão gerou furor e trouxe de volta a discussão sobre o topless. O então prefeito Luiz Paulo Conde repudiou a ação e declarou que aquele seria o verão do topless. Houve protestos em apoio à Rosemeri (em Ipanema, um grupo de homens chegou a vestir biquínis) e o secretário de Segurança, Josias Quintal, determinou que a PM não interviesse mais em casos do tipo.

Treze anos depois, a mesma questão retorna às praias. E a lei continua não sendo clara. O crime de ato obsceno tem pena estipulada entre três meses e um ano de prisão, ou multa. Mas, para o especialista em Direito Civil Leonardo Ribeiro da Luz, o tema se encontra numa situação jurídica nebulosa. Lembrando que o nosso Código Penal data dos anos 1940.

Há 33 anos, a novela “Água Viva” (atualmente em reprise no canal Viva), exibiu uma cena na qual as atrizes Tonia Carrero, Maria Padilha e Maria Zilda Bethlem tiravam a parte de cima do biquíni na praia e eram achacadas por banhistas e reprimidas por um guarda grosseiro.

O topless que causa muita polêmica, desde os anos 70, quando resolveu se bronzear nas areias cariocas, numa brisa libertária da década, fazia parte de um desdobramento do movimento feminista, em que as mulheres têm o poder sobre seu próprio corpo e seus atos. Como a Marcha das Vadias uma manifestação atual na qual o corpo ganha um sentido libertário.

A antropóloga Mirian Goldenberg, autora de “Toda mulher é meio Leila Diniz”, ressalta que a exibição do corpo, entre nós, está mais ligada à sexualidade do que à liberdade. No livro “Nu & Vestido”, organizado pela pesquisadora, ela reúne 10 artigos que falam da relação dos cariocas com o corpo e muitos afirmam que ele faz parte da nossa cultura.

Durante seis anos, o fotógrafo Jordan Matter conversou com mulheres de todos os tipos que topassem se deixar fotografar com o busto nu, algumas vezes de costas, pelas ruas de Nova York (para quem não sabe, lá não existe lei alguma que proíba mulheres de fazer topless nas ruas, apesar de não ser um hábito muito recorrente), e assim nasceu à série fotográfica Uncovered.

A ideia do projeto era fazer com que as mulheres confrontassem seus sentimentos de vergonha e inadequação diante da nudez parcial. Essa é uma iniciativa muito importante, visto que vivemos numa sociedade na qual os homens ainda têm total liberdade de andar nas ruas sem camisa, enquanto as mulheres em diversos países (inclusive aqui no Brasil) poderiam até ser detidas por circularem pelas ruas sem a parte de cima do vestuário. Por que essa diferença e discriminação ainda persiste? Seria somente por causa da diferença nos corpos masculinos e femininos? O fato das mulheres terem seios não deveria privá-las de poder exercer um direito que, no caso masculino, nem é trazido em pauta de tão natural, afinal, os seios foram feitos para alimentação da prole, e se passaram a serem vistos como algo sensual (ou sexual), foi por causa da imaginação humana.

Por fim, as “Dona das divinas tetas”, no primeiro sábado do verão dia 21 de dezembro, irão derramar o lei mau na cara dos caretas, com um TOPLESSAÇO, que acontecerá na praia de Ipanema, aqui no Rio de Janeiro. A página do ato convida homens, mulheres, crianças e idosos, a lutar contra uma cidade machista e violenta como a que vivemos o topless pode ser caso de polícia. Pelo fim da criminalizarão dos nossos corpos, das formas femininas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s