CASA DE CRIADORES DAY I: AS INSPIRAÇÕES VÃO DO ART NOVEAU A HISTÓRIAS DE TERROS

Looks de Gefferson Villa Nova que desfilou no Projeto Lab
Looks de Gefferson Villa Nova que desfilou no Projeto Lab

Depois do Minas Trend, a segunda para do Inverno 2014, no Brasil, foi a Casa de Criadores, que começou na última segunda-feira (14.10), no Memorial da América Latina, em São Paulo, com as apresentações dos participantes do Projeto Lab: Gefferson Vila Nova o estilista fez uma bela coleção com muitas misturas de tecidos e texturas. O foco estava na cintura nos looks de base preto com pontos de cor – azul, vermelho e laranja; Kauê Bueno apresentou uma alfaiataria contemporânea, adicionando volumes interessantes aos paletós descontruídos saias e calças. As cores foram preto, branco e azul; Tarcísio Brandão é brasiliense, mas, mora no Rio de Janeiro teve como tema a busca pelo autoconhecimento e pela identidade brasileira, passou um tempo vivendo com a tribo Asurini, sediada na reserva do Xingu, e no litoral do Ceará, acompanhando o trabalho das rendeiras locais; finalizando os desfiles do Projeto Lab, Rafael Caetano a ginástica artística foi o ponto de partida do estilista… Se você pensou em ver bodies enfeitados… O criador passou longe disse e usou a liberdade dos movimentos para construir confortáveis peças de malha fininha. A musculatura dos atletas apareceu nos recortes e cores, as argolas e o cavalo inspiram acessórios e sobreposições de neoprene e tecido emborrachado.

Outro integrante do Projeto Lab Kauê Bueno
Outro integrante do Projeto Lab Kauê Bueno
Os looks femininos de Tarcisio Brandão
Os looks femininos de Tarcisio Brandão
O masculino do estilista
O masculino do estilista
Looks feminos de Rafael Cardoso
Looks feminos de Rafael Cardoso
O masculino de Rafael Cardoso
O masculino de Rafael Cardoso

No line up oficial da Casa de Criadores, a Virgílio Couture, que tem Izabela Starling, na direção criativa ao lado de Virgílio Andrade, usou as ilustrações de Alphonse Mucha, ilustrador checo que foi um dos expoentes da Art Nouveau. Os estilistas trabalharam a ideia de “street festa”, como os próprios denominam, utilizando elementos como renda, bordados e brilhos de uma forma informal e jovem, com o uso de estampas e a combinação com parkas e botinhas de cano baixo com spikes – estas, criadas pelo parceiro Jorge Alex. Izabela destaca como chave da coleção “o clash de estampas”.

Virgílio Couture
Virgílio Couture

Em seguida Felipe Fanaia se inspirou numa série que nos amamos “American Horror Story”, mais especificamente na segunda temporada – Asylum, pela qual ele se diz aficionado. “Gosto de buscar coisas do cotidiano pra transformar em desfile”, e completa, “No seriado eles tratam de temas como religião, sexo, fetiche, mutação genética – que fizemos no tule com látex, como se tivéssemos exposto os corações, as veias. Abordamos várias temáticas, por isso deixamos a cartela de cores bem reduzida pra amarrar bem a coleção”. Os chapéus são de Eduardo Laurino, e acessórios que remetem a respiradores hospitalares são da Cryptanthus.

Felipe Fanaia
Felipe Fanaia

A estreante 2/Dois, dos veteranos Weider Silveiro e Jadson Raniere, que já faziam parte do line-up da Casa de Criadores, juntaram forças para segundo os estilistas, “dar um sopro, um respiro no mercado assolado pela mesmice”, com foco em moda masculina, mas, que aqui também teve presença feminina na passarela. Com styling de Gabriel Sorribas, a primeira coleção veio com firmeza, apostando em uma modelagem experimental, com a silhueta alongada e uma cartela de cores restrita ao bege, preto, branco e vermelho.

Looks 2/Dois
Looks 2/Dois

A Trendt, de Renan Serrano contou que “O ponto de partida foi a vivência que a gente tem com o consumidor, o que ele está pedindo. E o nosso consumidor está pedindo coisa nova. Existem roupas lindas, mas as pessoas estão ficando todas iguais, massificadas, e estamos buscando fazer coisas únicas, com construção instigante”. O estilista destaca o trabalho de peças como o blazer branco e a pintura manual com nanquim; “negamos o computador nesta coleção, focamos no sensorial”. “É super difícil de fazer, mas o conceito é: por que colocar uma coisa no mundo se ela não tiver significado?”, ele questiona.

O masculino da Trendt
O masculino da Trendt

Para Ale Brito, o Inverno 2014 tem foco na parte de cima do corpo, que vem bem ampla, com o volume de jaquetas de couro ecológico matelassadas por dentro, e tricôs – que aparecem pela primeira vez em uma coleção sua. Destaque para o minucioso trabalho de recortes, como no último look a entrar na passarela, um vestido branco com zíperes nas mangas. Como destacou Ale pouco antes da apresentação, tratam-se de peças únicas, já que são construídas “pedacinho por pedacinho”.

O feminino de cintura marcada de Ale Brito
O feminino de cintura marcada de Ale Brito
Fotos: Divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s