LUTO: ESTILISTA CLÔ OROZCO É ENCONTRADA MORTA HOJE PELA MANHÃ

clo-orozco-629x417

Na manha desta quinta feira (28 de março) a moda brasileira amanheceu menos radiante. Clô Orozco fundadora das marca Huis Clos e Maria Garcia foi encontrada morta, aos 63 anos, em frente ao prédio onde morava, em São Paulo, na manhã desta quinta-feira (28.03). As causas da morte ainda são desconhecidas. De acordo com o Corpo de Bombeiros, às 7h58 da manhã foi atendida uma ocorrência de queda de uma mulher do 6º andar do edifício, na rua Rio de Janeiro, em Higienópolis.

Clô era um dos maiores nomes da moda paulistana, e seu interesse por moda começou nos anos 1970. As primeiras peças foram feitas em 1977 tinham estampadas com batik e era vendida entre amigos. A Huis Clos surgiria oficialmente no ano seguinte, como etiqueta de peças desenvolvidas por ela e vendidas na sua multimarcas Splash, que abrira nos Jardins.

Em 1981 começou a construir seu estilo de roupas urbanas e elegantes, com influências direta dos estilistas japoneses dos anos 1980 e da sua formação em sociologia. O nome Huis Clos, expressão francesa que significa “entre quatro paredes”, e também título de uma peça do filósofo Jean-Paul Sartre. A primeira loja surgiria em 1984.

Formada em sociologia e política, a estilista era conhecida por produzir uma moda intelectual, atemporal e elegante, com roupas para mulheres que se identificam com um estilo que foge do radicalmente clássico e do estritamente básico.

A grife estreou na passarela no Morumbi Fashion (antigo SPFW) em 1996. Já sua segunda marca, a Maria Garcia, também dirigida por Clô, era jovem e nasceu em 2001 e que chegou a ser tocada por Camila Cutolo. Em 2008, passou a criação da Huis Clos para a jovem Sara Kawasaki, que daria uma rejuvenescida no estilo da marca enquanto Clô focava nos negócios da empresa.

A morte será investigada pelo 4º Distrito Policial, na Consolação. No boletim de ocorrência, o caso foi registrado como suicídio.

De acordo com a Polícia Civil, um sobrinho da estilista relatou que Clô fazia tratamento contra “esquizofrenia paranoide” e já tinha tentado suicídio outras duas vezes. Nesta quinta, o sobrinho e uma irmã estavam no apartamento, mas informaram que estavam dormindo no horário.

O boletim de ocorrência aponta que Lorenz Christian Hubertus Klein foi a última pessoa a ter contato com a estilista, por volta das 7h. Ele relatou ter notado que ela estava frágil e que ele teria desaconselhado que ela participasse de uma reunião na empresa, conselho que ela teria aceitado.

3 comentários Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s